O de cima sobe e o de baixo desce!

    Realizada boa parte da quarta rodada do Campeonato Paulista, os resultados até o momento acabaram aprofundando ainda mais as diferenças entre os postulantes ao título. Palmeiras e Corinthians, os dois melhores paulistas no brasileiro do ano passado, venceram novamente enquanto seus adversários continuam patinando. A dupla começa a ganhar distancia inclusive em relação aos principais rivais Santos, São Paulo e a persistente Ponte - que corre por fora. 
Fonte: Luis Moura/ Gazeta Press
    O Corinthians, após algumas reformulações, está voltando a mostrar a organização e o bom futebol do ano passado. No clássico com o São Paulo, permanece a grande a distância que já existe desde o ano passado na qualidade do futebol das duas equipes. O resultado não podia ser outro: nova vitória do Timão. 
    Quem esperava um jogo estudado tomou um susto. Logo no primeiro minuto Juninho Capixaba lançou Rodriguinho no ataque. O meia dominou na entrada da área e com liberdade mandou por cima da zaga tricolor até Jadson que sozinho bateu com pé esquerdo para abrir o placar. Logo em seguida o próprio Rodriguinho passou por três adversários e quase fez um golaço. A facilidade era tanta que os laterais alvinegros passaram a avançar seguidamente sem se preocupar com a marcação. Essa 'displicência' permitiu ao tricolor equilibrar o clássico majestoso. Aos 14 minutos, Militão cabeceou por cima do travessão após cobrança de escanteio. Em seguida Shaylon chutou de longe e carimbou a trave esquerda de Cássio. O jogo ficou lá e cá. Pelo Timão, Jadson e Rodriguinho dominavam o meio de campo com toques rápidos enquanto o São Paulo com dois pontas abertos encontrou um bom caminho ao gol do adversário. Aos 24 minutos, Militão cruzou a bola, ela passou por toda a extensão da área e chegou até Brenner. O garoto estufou a rede empatando a partida. 
    O empate acendeu o Corinthians novamente. Em nove minutos um avalanche alvinegra; primeiro Kazim dominou a bola com o braço e fez um gol - que foi corretamente anulado - depois Rodriguinho obrigou Sidão a fazer grande defesa e por fim Balbuena aproveitou cobrança de escanteio para com toda a liberdade cabecear no fundo do gol - esse sim valeu. Na comemoração o xerifão da zaga bateu continência para torcida -  como mostra a foto acima.
    No segundo tempo, o São Paulo se jogou para o ataque enquanto o Corinthians se fechou na defesa para explorar os contragolpes, bem ao estilo Carille. O ritmo do jogo caiu e as chances para ambos os lados diminuíram. Dorival Júnior tentou mudar o panorama e substituiu Brenner por Caíque. O impeto do São Paulo aumentou, mas a segurança da defesa do campeão brasileiro continuou prevalecendo. 
    Com o jogo bem encaminhado Fábio Carille percebeu o cansaço do seu time e tirou Rodriguinho e Juninho Capixaba para a entrada de Maycon e Guilherme Romão. Dorival também fez suas últimas cartadas colocando Paulinho e Reinaldo nas vagas de Shaylon e Edimar. O ritmo do jogo porém permaneceu morno. Final de jogo, festa alvinegra no Pacaembu com o Corinthians se impondo outra vez diante de um São Paulo limitado. 
    O futuro alvinegro é promissor e a nação alvinegra sonha cada vez mais com um repeteco nos títulos do ano passado. Já o elenco são paulino deve dar ainda muito trabalho para Dorival e dor de cabeça para a sua torcida. A situação é ainda mais dramática pensando que os três principais jogadores do time - aqueles que salvaram o grupo do rebaixamento no ano passado - estão fora, pois Hernanes voltou para a China, Pratto foi para o River Plate e Cuevas esta forçando sua saída do Morumbi. Melhor o dirigente Raí se movimentar em busca de reforços urgentemente.
Fonte: radioglobo.globo.com
    No domingo, o Verdão mostrou a força de seu elenco e venceu o Bragantino por 2 a 0 em Bragança Paulista. Recheado de boas opções, o time de Roger Roger Machado começa a sobrar no torneio regional com 100% de aproveitamento. 
    No jogo, o domínio de bola palmeirense foi superior desde o início. Com Moisés e Felipe Melo na saída de bola e Lucas Lima na criação o meio de campo verde se impôs diante de um limitado Bragantino. No primeiro tempo, porém, a superioridade dos visitantes não se traduziu em muitas chances de gol. A defesa bem montada por Marcelo Veiga que é especialista nisso segurou o impeto do líder geral do campeonato. Aos 18 minutos da segunda etapa, após a entrada de Keno no lugar de Borja, tudo mudou. O novo talismã palmeirense precisou de apenas dois minutos em campo para  para abrir o placar - na foto acima. Em velocidade ele completou um cruzamento de Michel Bastos. Com o gol, o time da casa precisou se arriscar e abriu os espaços na defesa que Roger queria. Após ótimo lançamento de Felipe Melo para Dudu, o capitão aproveitou para definir com classe a vitória do Palmeiras. Relaxado o Palmeiras só tocou a bola de lado até o jogo acabar, para não se cansar. O principal motivo é que nesta semana o Palestra enfrenta o Santos no Allianz Parque em seu primeiro clássico no ano.
Fonte: Rafael Arbex/Estadão
    Pensando também no clássico do próximo domingo, Jair Ventura poupou David Braz e Alison, pois ambos estão pendurados com dois cartões amarelos e promoveu a entrada do zagueiro Robson Bambu contra o Ituano no estádio do Pacaembu - numa reedição da famosa final de 2014. No primeiro tempo um amplo domínio do time visitante, tanto que Baralhas abriu o marcador aos 16 minutos. No segundo tempo o Peixe tentou uma reação, mas parava sempre no goleiro Vagner. A derrota parecia iminente quando  Rodrygo (na foto acima) novamente salvou a equipe. O atacante de 17 anos arrancou um gol de empate  aos 45 minutos do segundo tempo. O Santos segue com altos e baixos no Paulistão. Graças ao bom desempenho fora de casa e ao insucesso de seus adversário de grupo o Peixe se mantém na liderança com boas chances de classificação. Porém o futebol apresentado tem sido motivo de preocupação e vaias de sua torcida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Peru e Dinamarca estreiam em clima de decisão.

Que venha a Chape.

Vai começar a grande festa do futebol mundial!

Mais um passeio em verde e branco.

A incrível história de Fernando Prass.